Notícias

Atingidos pela barragem de Fundão participam de debate com diretor do filme “O Amigo do Rei” em Mariana

Cerca de cem pessoas assistiram “O amigo do rei” na última segunda-feira (23), filme que apresenta uma alegoria para evidenciar as relações obscuras entre o poder público e a mineração no contexto do maior crime socioambiental do Brasil.

Na noite da última segunda (23), as pessoas atingidas pelo rompimento da barragem de Fundão assistiram ao filme “O Amigo do Rei”, em exibição especial seguida de um bate papo com o diretor André D’Elia no auditório do ICSA/UFOP, em Mariana. O longa-metragem mescla ficção e documentário para contar a história do maior crime socioambiental do Brasil sob diferentes perspectivas. Segundo Mauro Marcos da Silva, morador de Bento Rodrigues, a parte ficcional do filme casa perfeitamente com a realidade. “Eu me emocionei com a situação vivida, mas foi um filme mais voltado para a denúncia. Ele mostra os indícios de corrupção nas esferas de poder, todos querendo levar vantagem e os atingidos mesmo ficando à mercê da boa vontade das empresas”, conta Mauro.

Durante o debate, o diretor André D’Elia agradeceu a oportunidade de reencontro com a população atingida. “É uma obrigação apresentar, trazer o resultado do trabalho e debater com as pessoas atingidas”, disse ele em resposta ao agradecimento e ao abraço de Maria das Graças Quintão Santos, moradora de Bento Rodrigues que participa do filme. André comenta que pensou em desistir do lançamento porque nele estava anunciado a possiblidade de repetição do desastre, algo que poderia gerar pânico injustificado. “Mas depois de Brumadinho o filme ganhou caráter até mesmo premonitório, não é exagero e não é para causar pânico, mas é a realidade, mais barragens podem romper”, alerta ele.

A exibição gratuita foi fruto de uma parceria entre a Cáritas Brasileira Regional Minas Gerais, assessoria técnica aos atingidos pela barragem de Fundão em Mariana, o Observatório C.A.F.E. da Universidade Federal de Ouro Preto, a Comissão de Atingidos pela Barragem de Fundão de Mariana, a produtora Cinedelia, o projeto de iniciativa popular “Mar de Lama Nunca Mais” e a distribuidora 02 Play.

Por Ellen Barros, comunicadora popular da Cáritas Regional Minas Gerais em Mariana.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

.