Notícias

Cáritas Minas Gerais realiza XVIII Assembleia

Processo de escuta nas entidades-membro e estudo do Bem Viver marcam a Assembleia Regional da Cáritas em Minas Gerais.

A Cáritas em Minas Gerais realizou sua XVIII Assembleia Regional e a etapa de monitoramento do PMAS (Planejamento, monitoramento, avaliação e sistematização), nos dias 26 a 28 de julho, em Belo Horizonte. Contando com a presença de 14 das 15 entidades-membro que compõem o Regional Minas, cerca de 60 participantes se reuniram para rever e reorientar as ações planejadas em fevereiro deste ano e realizar a eleição de novos membros que passarão a compor o conselho regional.

Inspirados pelo tema da 24ª Assembleia Geral da Cáritas Brasileira – O Bem Viver: Esperança, resistência e profecia, que será realizada em Teresina (PI), entre os dias 19 e 23 de novembro de 2019, a Cáritas Minas também trouxe o Bem Viver como tema central do encontro. O primeiro dia foi destinado a formação dos agentes Cáritas. Pela manhã, a professora e vereadora da cidade de Santa Luzia, Suzane Almada, colaborou com a análise política, na sequência, o professor e padre jesuíta, Elio Gasda, refletiu com o grupo sobre o momento vivido pela Igreja no país. A parte da tarde foi dedicada ao estudo do Bem Viver e o professor da UFMG, José Luiz Quadros Magalhães, contribuiu com as reflexões.

Veja AQUI as fotos XVIII Assembleia Regional da Cáritas Minas Gerais.

Um dos mais recentes integrantes da rede, Luís Carlos Pinto, da Cáritas Diocesana de Guanhães, destacou a importância do momento de formação: “Foram dias intensos de discussão sobre o cenário político e eclesial do país. Compreendemos que o sistema capitalista/predatório destrói biomas, ecossistemas, sociedades. Se não encontrarmos uma forma de viver fora da lógica consumista, seremos testemunhas de desgraças ainda piores, a massacrarem todas as formas de vida do planeta”, aponta Luís.

No segundo dia foi realizado o monitoramento das atividades das entidades-membro, momento significativo de olhar para o planejamento para reavaliar ou reafirmar as ações pensadas para o ano.

Além do processo formativo e do monitoramento das ações, durante a XVIII Assembleia aconteceu a eleição de novos conselheiros para o próximo quadriênio. O Conselho é uma instância consultiva e tem como finalidade contribuir com a discussão política institucional, apoiando a equipe executiva. A nova composição do conselho passa a ser: presidente: José Nelson P. Santos (Araçuaí); vice-presidente: Márcia Aparecida Almeida (Uberaba); secretário: Ésio Mendes do Nascimento (Paracatú); vice-secretário: Padre Nelito Dornelas (Governador Valadares); suplentes: Geisiane Lima Soares (Itabira/Coronel Fabriciano) e Suzana Alves Escobar (Januária).

Em comemoração aos 30 anos da Cáritas em Minas Gerais, as entidades-membro receberam de presente uma bandeira bordada por mulheres da Associação Comunitária Mãe Ana (ACOMA), da comunidade Barra do Pequi, da cidade Chapada Gaúcha, no Norte de Minas.

Escutas em preparação para a Assembleia Geral

Durante este ano, a Cáritas Brasileira está vivenciando o processo de preparação para sua 24ª Assembleia Geral, que será realizada no mês de novembro de 2019. A Assembleia que terá como tema principal o “Bem Viver: Esperança, resistência e profecia” e como lema a iluminação bíblica “Erguei-vos e levantai a cabeça, pois está próxima a vossa libertação” (Lc 21,28). Este será um importante momento para a rede Cáritas avaliar sua missão de “Testemunhar e anunciar o Evangelho de Jesus Cristo, defendendo e promovendo toda forma de vida e, participando da construção solidária da sociedade do Bem Viver, sinal do Reino de Deus, junto com as pessoas em situação de vulnerabilidade e exclusão social”, assumida em 2017.

A assessora do regional Minas Gerais e integrante do GT Formação da Cáritas Brasileira, Valquíria Lima, destaca a relevância deste momento: “esta Assembleia é muito significativa, pois além de ser eleitoral, nós vamos eleger a nova diretoria nacional da Cáritas Brasileira. É um momento também de escuta das entidades-membro da rede Cáritas.”

Durante o processo preparatório para a Assembleia Geral,  a rede Cáritas vem sendo motivada a analisar e partilhar a realidade vivida nos últimos 4 anos em todo o território nacional. “Estamos fazendo isso a partir da realidade das entidades-membro. A ideia é que a rede Cáritas possa ouvir sua base, saber a realidade local, fazer uma avaliação da sua estrutura, da sua gestão, dos seus desafios, das suas ações, entender o contexto local e político, e como projetamos os próximos anos”, explica Valquíria.

Em Minas Gerais, as escutas às entidades-membro aconteceram nos meses de maio a julho e representaram um momento importante para sistematizar os sonhos, os desafios e as perspectivas futuras apontadas pelas Cáritas diocesanas.

Samuel Silva, assessor e integrante da colegiada regional em Minas Gerais, reforça a importância do processo de escuta realizado em toda a rede Cáritas: “o trabalho de escuta vem ao encontro do fortalecimento do nosso ser rede, entendendo que toda nossa construção começa nas bases, lá aonde a ação acontece, onde estão as comunidade e o povo, que é a razão de ser de nossa existência e nossa atuação”. Samuel considera que é a partir das reflexões, avaliações e ideias surgidas nos espaços criados para as escutas que será possível reformular o marco referencial da entidade: “é nele que está sistematizado nossa missão, diretriz, princípios, orientações estratégicas e nossas prioridades de atuação. Vamos fortalecendo nossa rede e respeitando as conjunturas, potencialidades locais”, avalia.

“Essa é uma Assembleia para vivenciarmos o Bem Viver, a partir das realidades locais, para que assim, nós possamos fortalecer a ação da Cáritas e sua missão, a partir das dioceses, dos territórios, dos estados, nacionalmente e com isso fortalecer a dimensão da Cáritas internacionalmente. Iluminados pelas bênçãos do papa Francisco, que abriu a Assembleia da Cáritas Internacional e nos disse que a nossa grande missão é a da caridade que liberta. Para isso, precisamos cada vez mais dialogar com a realidade dos mais excluídos e necessitados”, garante Valquíria.

Por Francielle Oliveira, comunicadora popular da Cáritas Regional Minas Gerais.

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

.