Notícias

Mutirão de solidariedade no Vale do Jequitinhonha em tempos de pandemia

Com a participação de uma rede de voluntários de diversas paróquias e organizações, a Cáritas Diocesana de Araçuaí promove ações emergenciais em 11 municípios do Alto e Médio Vale do Jequitinhonha, em Minas Gerais. A ação solidária vai distribuir 1.350 cestas de alimentos e kits de materiais de higiene e conta com investimento da Fundação Banco do Brasil.

O agente da Cáritas, José Nelson, entrega cestas de alimentos em Araçuaí.

Uma grande rede de solidariedade tem se formado no Vale do Jequitinhonha, em Minas Gerais, para enfrentar a pandemia do coronavírus. Um mutirão de voluntários das comunidades de fé, paróquias, pastorais, sindicatos e organizações sociais, que atuam na região, tem promovido o cuidado levando apoio e informação e entregando cestas básicas e kits de higiene às famílias em vulnerabilidade no Alto e Médio Jequitinhonha. A ação emergencial é promovida pela Cáritas Diocesana de Araçuaí com a parceria da Fundação Banco do Brasil.

“A situação das famílias não é fácil e há muitas necessidades. Necessidade de um alimento, de um apoio, de uma conversa com informação, porque são territórios em que as informações chegam muito distorcidas”, relata José Nelson Pereira, agente da Cáritas Diocesana de Araçuaí. Ele lembra que a região já foi conhecida como vale da miséria, mas conseguiram mudar esse paradigma a partir da organização popular, de estratégias de convivência com o semiárido e de políticas públicas. “Trabalhamos muito para mudar esse contexto, mas a necessidade ainda é grande e nessa pandemia aumenta cada vez mais, principalmente para as famílias que estão em um estágio de vulnerabilidade social”, explica.

A partir do trabalho de uma rede solidária de voluntários, a Cáritas irá entregar 1.350 cestas de alimentos e kits de materiais de higiene e limpeza a 675 famílias, atendendo cerca de 3.375 pessoas em 11 municípios. “Nosso trabalho também é estar próximo, comunicando as coisas positivas e levando as informações certas, por exemplo, orientando os agricultores e as agricultoras a acessar os direitos que têm e as políticas públicas, que são pouquíssimas”, conta Zé Nelson.

Celane da Rocha e sua família serão beneficiadas pela ação.

No meio urbano e rural, cada família atendida irá receber duas cestas em etapas diferentes, sendo que a primeira já foi concluída e a segunda acontece de 25 de maio a 3 de junho. Celane da Rocha, moradora do bairro Nova Esperança, em Araçuaí, diz que a cesta chegou em uma hora boa: “Estou desempregada nesse momento de pandemia. Então, a cesta vai ser muito útil para minha família”.

A ação tem o investimento de R$ 158 mil da Fundação Banco do Brasil (FBB) e integra a campanha “Proteja e salve vidas”, uma iniciativa da FBB para mitigar os impactos da pandemia na vida de quem mais precisa. Os municípios atendidos são: Araçuaí, Berilo, Chapada do Norte, Itinga, Virgem da Lapa, Turmalina, Veredinha, Caraí, Itaobim, Medina e Minas Novas.

O projeto também viabilizou a compra de 22 EPIs (Equipamentos de Proteção Individual) para as equipes de trabalho que fazem o recebimento dos produtos, a montagem e as entrega das cestas. Para realizar a ação, as equipes têm tomado medidas de segurança e proteção, evitando aglomerações.

A ação solidária foi realizada em parceria com o CAV (Centro de Agricultura Alternativa Vicente Nica); os Sindicatos dos Trabalhadores Rurais de Itinga, Itaobim, Caraí e Virgem da Lapa; a EMATER; a paróquia Santa Rita de Cássia, São Domingos, Santo Antônio, Nossa Senhora da Conceição, São Pedro e São Roque, na diocese de Araçuaí; a Secretaria do Meio Ambiente de Caraí e a Secretaria de Agricultura de Araçuaí. 

Comida de verdade 

Muitos produtos que compõem a cesta de alimentos são oriundos da agricultura familiar da região. Essa dinâmica de aquisição dos alimentos tem possibilitado o cuidado tanto na garantia de alimentação de qualidade quanto no fomento da geração de renda local, explica José Nelson: “O apoio da FBB tem sido de muita valia para as famílias. A gente faz uma ação de doação e cuidado e também fomenta a questão da economia, porque fazemos as compras dos produtos nas mãos dos agricultores e agricultoras”.

 

A cesta de alimentos é composta por: 3 kg de feijão; 5 kg de arroz; 3 kg de farinha, podendo ser de mandioca ou de milho; 6 kg de legumes e verduras, que podem ser mandioca, beterraba, cenoura, inhame, chuchu e batata doce; outros 6 kg de legumes, que podem ser abóbora, caxixe, maxixe, pimentão, quiabo e mamão verde; 4 kg de frutas, entre elas, laranja, limão, mamão, abacate, abacaxi, acerola e banana; e 1 dúzia de ovos.

“As cestas ajudam as famílias, pelo menos, a diminuir a angústia nesses tempos”, desabafa o agente da Cáritas. Ele diz que este projeto termina com a conclusão da próxima etapa de entregas e o desafio agora é promover outras ações para a região no período da pandemia. A Cáritas de Araçuaí está planejando uma campanha para o cuidado com os idosos e segue construindo ações solidárias emergenciais junto à diocese.

Foto destaque: entrega de cestas no município de Caraí
Texto:
assessoria de comunicação da Cáritas Regional Minas Gerais

Vídeo: Manamares de Souza Coutinho, agente da Cáritas Diocesana de Araçuaí

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

.